267-PEDOFILIA, coração ferido – Instituto Brasileiro de Terapias Holísticas
AGRESSIVIDADE HUMANA

267-PEDOFILIA, coração ferido

❤️ Deixe sua Avaliação Positiva post

Loading

PEDOFILIA – Em uma sociedade cada vez mais erotizada, especialmente de corpos infantis, torna-se crucial adotar medidas para combater esta prática nefasta e seus defensores.

PEDOFILIA
PEDOFILIA

A Pedofilia no Contexto da Sociedade Atual

Entendendo a Pedofilia: Natureza e Classificação

A pedofilia é classificada como uma parafilia, que é entendida como um distúrbio psíquico associado a práticas sexuais não aceitas pela sociedade. Ela se caracteriza por uma atração sexual recorrente por crianças, geralmente pré-púberes. De acordo com Freud, este transtorno se manifesta em indivíduos “fracos e impotentes”. É importante salientar que a pedofilia é, infelizmente, o transtorno de preferência sexual mais comum na sociedade. Não se trata apenas de um comportamento, mas de uma doença que se apresenta sem patologias prévias identificáveis, tornando-se um grande desafio para a área da saúde.

A Internet e a Amplificação da Tragédia

A rede mundial de computadores, conhecida como internet, tem desempenhado um papel perturbador na disseminação da pedofilia. Esta ferramenta, que proporcionou avanços significativos em diversas áreas da sociedade, também se tornou um meio que facilita o acesso e a difusão da exploração sexual infantil. Em uma sociedade cada vez mais erotizada, especialmente de corpos infantis, torna-se crucial adotar medidas para combater esta prática nefasta e seus defensores.

Os Impactos Profundos do Abuso Sexual em Crianças

O abuso sexual infantil deixa marcas profundas nas vítimas, afetando não apenas sua saúde física, mas também sua saúde mental e emocional. Estatísticas são alarmantes: entre as crianças do sexo feminino que sofreram violência sexual, 51,9% tinham entre 1 e 5 anos, e 42,9% entre 6 e 9 anos. Já entre os meninos, 48,9% estavam na faixa de 1 a 5 anos e 48,3% entre 6 e 9 anos. A negligência dos pais, que no passado era um fator agravante, hoje se complementa com os perigos do mundo virtual e com uma sociedade que, segundo Bauman, busca o prazer individual em detrimento da afetividade.

A Transformação da Sexualidade e os Perigos da Autoridade

Na visão contemporânea, a criança deixou de ser vista como um ser em desenvolvimento de sua própria sexualidade e passou a ser vista, em alguns contextos, como um objeto sexual. Esta transformação perversa é ainda mais agravada quando aqueles que deveriam proteger e guiar, como os pais, se tornam abusadores. É assustador pensar que, como indica a reflexão de Marca, a criança pode ser vista como um objeto sexual por seus pais, que eram seus objetos sexuais inconscientes em tempos anteriores. O poder e a autoridade que deveriam garantir segurança tornam-se, nesse contexto, ferramentas de abuso.

A Urgência de uma Sociedade Vigilante e Cuidadosa

Mais do que nunca, é crucial que a sociedade esteja atenta e vigilante. Todos, de pais a educadores, devem ser orientados sobre os perigos da pedofilia e sobre como proteger as crianças. Cada indivíduo tem um papel fundamental na construção de um ambiente seguro para as crianças, que são particularmente sensíveis ao comportamento daqueles a quem estão afetivamente ligadas. Portanto, torna-se imprescindível criar um referencial seguro para as crianças, para que elas possam desenvolver sua sexualidade e personalidade de maneira saudável.

Em resumo, a pedofilia é uma questão de extrema urgência e complexidade que precisa ser combatida com informação, educação e responsabilidade. A sociedade precisa reconhecer o problema, entender suas origens e consequências, e trabalhar de maneira unificada para proteger suas crianças.

PEDOFILIA E VIOLÊNCIA SEXUAL: ANÁLISE CRÍTICA E REFLEXIVA

Introdução: A complexidade do fenômeno e a necessidade de abordagem

Diante da crescente e perturbadora realidade de pedofilia e sequestro, é indispensável que a sociedade, em todas as suas esferas, volte sua atenção e ação para a proteção das crianças. Esta é uma convocação para todos os setores: desde as políticas públicas até os lares individuais. É essencial compreendermos que o tecido social atual está sendo desafiado e é preciso identificar, discutir e agir para transformar essa situação desagradável.

A reconstrução do conceito de sexualidade

A desconstrução dos conceitos tradicionais de sexualidade, acelerada por incentivos contemporâneos que estimulam a exploração de “novas sensações”, traz à tona a urgência em reavaliar os valores e práticas vigentes. A sociedade deve reaprender a interpretar os novos sinais e dinâmicas presentes na família, educação e consciência sexual.

A perspectiva histórica da infância

A compreensão histórica da infância oferece insights cruciais sobre a formação das atitudes modernas em relação à pedofilia. No período medieval, a criança era vista mais como um adulto em miniatura do que como uma entidade separada e digna de proteção especial. Como ilustrado por Áries, a real valorização da infância como uma fase distinta e preciosa da vida humana é uma invenção relativamente recente. Esta perspectiva histórica reforça a necessidade de proteger a criança, dado o reconhecimento moderno de sua vulnerabilidade.

Reconhecendo a inocência e a vulnerabilidade

Na Idade Média, a percepção da infância como um período de inocência não era comum. As crianças eram frequentemente expostas a comportamentos e conversas inapropriados, sob o pretexto de sua suposta “indiferença” à sexualidade. No entanto, conforme Áries destaca, o entendimento contemporâneo valoriza a inocência infantil e reconhece a importância de proteger as crianças de exposições e abusos precoces.

Ação e intervenção: Defendendo a dignidade infantil

É vital que, armados com o conhecimento histórico e contemporâneo, a sociedade se mobilize para combater a pedofilia e a violência sexual. Isso envolve criar uma consciência coletiva sobre o horror caótico da situação e promover a solidariedade humanitária. É imprescindível que medidas concretas de vigilância e educação sejam implementadas, aproveitando as contribuições de entidades como a Organização Mundial da Saúde, o Estatuto da Criança e do Adolescente e a psicanálise” data-wpil-keyword-link=”linked”>psicanálise, para garantir a proteção adequada às crianças e adolescentes.

A pedofilia e a violência sexual contra crianças representam uma das mais perturbadoras tragédias do século XXI. Cabe à sociedade, armada com o conhecimento e compreensão adequados, agir de forma decisiva para proteger as vítimas e prevenir futuras transgressões. A valorização e proteção da infância devem ser prioridades inabaláveis para garantir um futuro mais seguro e justo para todos.

PEDOFILIA NA PÓS-MODERNIDADE: FAMÍLIA E PSICANÁLISE

Introdução: A Família em Transformação na Pós-modernidade

Na era pós-moderna, a estrutura e dinâmica familiar têm se reinventado, buscando a construção de um ambiente onde o respeito mútuo e os direitos individuais sejam pilares. Neste contexto, surge também um reconhecimento crescente dos abusos perpetrados, principalmente o abuso sexual infantil, outrora obscurecido ou ignorado.

O Núcleo Familiar Moderno e a Sexualidade Infantil

A contemporaneidade trouxe consigo novas configurações familiares, promovendo diferentes formas de pertencimento e identidade. Paralelamente, tornou-se premente a necessidade de salvaguardar a dignidade das crianças, especialmente no que tange à sua sexualidade. Esse é um momento crucial para reconhecer e combater a exploração infantil, mesmo que essa conscientização tenha emergido de circunstâncias dolorosas.

Desvendando a Pedofilia: Entre a Doença e a Transgressão Jurídica

A pedofilia é uma área que demanda análises criteriosas e multidimensionais. Enquanto o ordenamento jurídico não classifica a pedofilia em si como crime, manifestações dessa condição que se adequam a comportamentos criminosos são penalizadas. Ventura destaca que nem todos os que cometem crimes sexuais contra menores são pedófilos e ressalta a necessidade de tratamento clínico para aqueles que realmente possuem tal transtorno. Atualmente, as alternativas terapêuticas são limitadas, sendo a terapia uma das vias mais promissoras para amenizar os sintomas.

Três Compromissos Essenciais na Abordagem da Pedofilia

  • Reconhecimento da pedofilia como uma doença que induz a desordens de personalidade e, consequentemente, requer tratamento adequado.
  • Sensibilização social para a temática, visando repensar o papel e os direitos da criança na era digital, reafirmando a inalienabilidade de seus direitos sexuais.
  • Valorização da psicanálise como ferramenta poderosa no processo de cura, atendendo tanto às vítimas quanto aos agressores, propiciando um espaço de diálogo e reconstrução.

A Psicanálise: Mediadora entre o Psíquico, Espiritual e Sexual

A pedofilia é, sem dúvida, apenas a ponta do iceberg de uma série de problemas e desafios relacionados à sexualidade humana. Há uma demanda urgente por esforços de prevenção e tratamento para aqueles que sofrem deste transtorno. A psicanálise emerge como uma abordagem promissora, facilitando o diálogo entre as dimensões psíquicas, espirituais e sexuais do ser, e orientando indivíduos na busca por transcendência e autocompreensão.

A complexidade da pedofilia na pós-modernidade exige uma abordagem holística que incorpore compreensão jurídica, médica e psicológica. As famílias modernas, ao se redefinirem, têm a responsabilidade e a oportunidade de criar ambientes seguros e saudáveis para as crianças, onde sua dignidade e direitos são intransigentemente protegidos. A psicanálise, neste cenário, serve como um farol, iluminando caminhos para a recuperação e o entendimento profundo.


PEDOFILIA: O SEQUESTRO DA INOCÊNCIA E A
LEGISLAÇÃO

Introdução: A Infância e a Renovação da Esperança

A infância, símbolo de esperança e renovação, enfrenta o desafio de se desenvolver em meio a relações por vezes turvas. É fundamental para o crescimento saudável da criança uma vivência de sua sexualidade de forma inocente e protegida, pois é nessa fase que ela moldará sua personalidade e liberdade.

Compreendendo a Pedofilia

A pedofilia é classificada na psiquiatria como uma parafilia, onde um indivíduo adulto ou adolescente mais velho sente atração sexual primária ou exclusiva por crianças pré-púberes, geralmente com idade inferior a 13 anos. No entanto, é vital diferenciar aqueles que simplesmente possuem essa parafilia daqueles que efetivamente cometem abusos contra menores.

A Linha Tênue entre Atração e Ação

A pedofilia em si, enquanto atração, não é criminalizada. O que é penalizado e condenável são os atos que infringem os direitos das crianças. Dentre esses atos, incluem-se a produção, distribuição, posse e acesso a materiais de pornografia infantil e a realização de atos sexuais com menores.

A Legislação Brasileira sobre a Exploração Infantil

O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) no Brasil estabelece regras claras e rígidas contra a exploração sexual infantil. Este proíbe atos sexuais com menores de 14 anos, mesmo com o consentimento da vítima ou de seus tutores. Além disso, a produção e distribuição de materiais pornográficos envolvendo crianças e adolescentes são estritamente proibidas e criminalizadas.

Variações Legislativas ao Redor do Mundo

A definição de “menor de idade” e as ações específicas que são criminalizadas variam globalmente. No entanto, graças a acordos internacionais e cooperação entre nações, muitos países possuem legislações rigorosas contra a exploração sexual de menores. Estas legislações visam proteger a integridade e a inocência das crianças, evitando o sequestro de sua essência e personalidade.

Conclusão

A pedofilia, mais do que uma parafilia, representa um desafio sociocultural e legal. A sociedade e os sistemas jurídicos devem trabalhar conjuntamente para proteger a infância e sua inerente inocência. Enquanto a atração em si não é punível, ações que explorem e prejudiquem crianças são e devem ser tratadas com a seriedade e gravidade que merecem. Reconhecer esta distinção e agir de acordo é essencial para assegurar que a infância continue a ser uma época de esperança e renovação.

João Barros

Floripa, 18.08.23

REFERÊNCIAS BÁSICAS

  1. “Coração Ferido: a realidade oculta do abuso sexual infantil”, de Sheila Rae Preston Resenha: Preston entrega uma investigação profunda sobre a sombria realidade do abuso sexual infantil. Combinando relatos de vítimas, análises de especialistas e dados estatísticos, o livro procura entender as causas, consequências e possíveis soluções para esta grave questão social.
  2. “O Discurso do Silêncio: sobre o não-dito no trauma do abuso sexual”, de Maria Helena Franzon Resenha: Franzon explora a difícil temática do trauma resultante do abuso sexual, focando-se no silêncio das vítimas. O livro aborda os múltiplos fatores que levam a essa falta de comunicação, oferecendo ao leitor uma compreensão mais profunda das complexidades psicológicas e sociais do tema.
  3. “A dor invisível: a trajetória da vítima de abuso sexual na infância”, de Marta Cocco Resenha: A autora desvenda a jornada da vítima de abuso sexual desde a infância até a vida adulta. Cocco examina os impactos psicológicos, emocionais e sociais do trauma, dando voz à dor que muitas vezes permanece invisível.
  4. “Pedofilia e Perversão: na cena contemporânea”, de Durval Marcondes Resenha: Marcondes faz uma análise acurada da pedofilia no contexto contemporâneo, buscando compreender suas origens e manifestações. Com um olhar clínico e social, o livro investiga as nuances da perversão e os desafios que ela apresenta para a sociedade atual.
  5. “Infância Roubada: histórias de superação após o abuso sexual”, de Joana Marques Vidal Resenha: Este livro compila histórias reais de indivíduos que sofreram abuso sexual durante a infância, mas que conseguiram encontrar força para superar o trauma e seguir em frente. Vidal combina uma narrativa sensível com uma abordagem educacional, visando tanto conscientizar quanto inspirar.

O que é pedofilia?

A pedofilia é classificada como uma parafilia, que é entendida como um distúrbio psíquico associado a práticas sexuais não aceitas pela sociedade. Ela se caracteriza por uma atração sexual recorrente por crianças, geralmente pré-púberes

Quais as tragédias do século XXI?

A pedofilia e a violência sexual contra crianças representam uma das mais perturbadoras tragédias do século XXI. Cabe à sociedade, armada com o conhecimento e compreensão adequados, agir de forma decisiva para proteger as vítimas e prevenir futuras transgressões.

A pedofilia é crime?

A pedofilia em si, enquanto atração, não é criminalizada. O que é penalizado e condenável são os atos que infringem os direitos das crianças. Dentre esses atos, incluem-se a produção, distribuição, posse e acesso a materiais de pornografia infantil e a realização de atos sexuais com menores.

João Barros - empresário/escritor - professor com formação em filosofia/pedagogia, teologia/psicanálise (...) atualmente, diretor pedagógico na empresa SELO BE IBRATH - com foco na supervisão e qualificação dos produtos pedagógicos e cursos livres em saúde, qualidade de vida e bem-estar. Quanto às crenças e valores, vale a máxima: o caráter do profissional em saúde - isto é - dos psicanalistas/terapeutas - determina sua missão. "Mens sana in corpore sano".

Deixe um comentário