Aceitação familiar 2023 – Instituto Brasileiro de Terapias Holísticas
ACEITAÇÃO FAMILIAR

Aceitação familiar 2023

❤️ Deixe sua Avaliação Positiva post

Loading

Aceitação familiar – A família, comumente retratada como uma fonte de apoio e amor incondicional, frequentemente se torna um ambiente de tensão e rejeição.

ACEITAÇÃO FAMILIAR
ACEITAÇÃO FAMILIAR

Neste contexto, a psicanálise oferece ferramentas valiosas para desvendar as complexidades emocionais que governam as relações familiares. Entre os pensadores que oferecem insights neste campo, Nancy Chodorow e sua abordagem psicanalítica merecem destaque.

O presente artigo busca explorar como as teorias de Chodorow podem ser aplicadas para entender e, idealmente, melhorar a aceitação dentro do núcleo familiar.

O Desafio (aceitação familiar)

O núcleo familiar é muitas vezes o primeiro grupo social ao qual pertencemos, mas nem sempre é um lugar onde nos sentimos aceitos quando o assunto é a diversidade de gêneros.

Esta falta de aceitação pode surgir de diversas formas, incluindo rejeição, menosprezo ou falta de compreensão.

Estes fatores negativos podem ter um impacto duradouro sobre a formação da identidade de um indivíduo e sua autoestima, o que torna imperativo entender as raízes desta problemática.

Muitas vezes, as tensões familiares são exacerbadas ou mesmo criadas por normas sociais e culturais. Estas normas podem incluir expectativas quanto ao sucesso, aparência, orientação sexual, entre outros.

A família, sendo uma unidade social, é muitas vezes um microcosmo dessas normas mais amplas.

Chodorow (1978) aponta que a estrutura familiar é uma reprodução das estruturas de gênero da sociedade, o que pode ser um fator que contribui para a falta de aceitação familiar.

O desafio da aceitação familiar é um tema complexo que tem repercussões profundas não apenas no bem-estar emocional dos indivíduos, mas também na estrutura e dinâmica da própria sociedade.

Desde o momento do nascimento, a família é frequentemente o primeiro espaço onde começamos a formar nossa identidade. É um local onde aprendemos valores, costumes e também pré-conceitos. É aqui que devemos, idealmente, sentir-nos seguros e aceitos.

Contudo, para muitas pessoas, especialmente aquelas que desafiam as normas de gênero ou outros padrões sociais, a família pode se tornar um espaço de exclusão e julgamento.

A falta de aceitação familiar não é um fenômeno isolado; ela é, muitas vezes, um reflexo de normas sociais mais amplas.

Conceitos de masculinidade e feminilidade, por exemplo, são muitas vezes construídos socialmente e perpetuados dentro do ambiente familiar.

Se uma pessoa não se encaixa no molde do que é considerado “normal” ou “aceitável” em termos de gênero, orientação sexual, escolhas profissionais ou mesmo aparência física, a família pode exercer pressão consciente ou inconsciente para que ela se adeque às expectativas.

Nancy Chodorow, em sua obra de 1978, aponta que essa problemática não é mera coincidência. A família, como microcosmo da sociedade, reproduz suas normas e expectativas, incluindo aquelas relacionadas ao gênero.

Isso pode criar um ambiente familiar onde as diferenças não são apenas desvalorizadas, mas também ativamente reprimidas, formando um ciclo vicioso que é difícil de romper.

A pessoa que sofre com a falta de aceitação familiar pode carregar essas feridas por toda a vida, afetando sua autoestima, sua capacidade de formar relacionamentos saudáveis e até mesmo suas perspectivas profissionais.

Importante salientar que essa falta de aceitação não prejudica apenas o indivíduo excluído, mas também contribui para a manutenção de uma sociedade mais intolerante e discriminatória. A não aceitação perpetua estigmas e tabus, que são transmitidos para as gerações futuras, mantendo vivas normas sociais arcaicas e prejudiciais.

Mas então, como abordar esse desafio complexo e multifacetado? A primeira etapa poderia ser a educação e a sensibilização. É essencial que os membros da família estejam dispostos a aprender e expandir suas visões de mundo.

Isso pode incluir desde leituras e pesquisa até terapias familiares e diálogos abertos e honestos dentro do ambiente doméstico.

Outro passo crucial é o desenvolvimento da empatia. A capacidade de se colocar no lugar do outro é vital para entender os desafios que as pessoas “diferentes” enfrentam, e para destruir preconceitos arraigados.

A empatia é a base para qualquer tipo de aceitação e inclusão, e sua falta é frequentemente a raiz da exclusão e do preconceito.

Além disso, é preciso reconhecer que cada família é única e, portanto, a abordagem para lidar com a falta de aceitação deve ser personalizada. Algumas famílias podem responder bem a um diálogo aberto, enquanto outras podem precisar de intervenção profissional.

O importante é não desistir da busca por aceitação e compreensão, não importa quão árduo o caminho possa parecer.

As instituições sociais também têm um papel a desempenhar. Escolas, igrejas e outras organizações podem atuar como multiplicadores de atitudes mais inclusivas, através de programas de educação e atividades que promovam a diversidade e a inclusão.

Para encerrar, é crucial reconhecer que o desafio da aceitação familiar é uma responsabilidade coletiva que requer um esforço conjunto. Não cabe apenas ao indivíduo “diferente” fazer o trabalho de mudar; a família e a sociedade como um todo também devem evoluir.

Somente através de um esforço coletivo para entender, educar e, finalmente, aceitar, é que podemos esperar construir famílias e sociedades verdadeiramente inclusivas e amorosas.

Teoria da relação objetal de Nancy Chodorow (aceitação familiar)

Nancy Chodorow, em seu influente trabalho “The Reproduction of Mothering” (1978), usa a teoria da relação objetal para explicar como as relações iniciais de apego com os pais moldam a identidade de gênero e as futuras relações interpessoais.

Sua abordagem é particularmente útil para compreender como as experiências parentais precoces podem impactar a sensação de aceitação ou rejeição que um indivíduo pode sentir dentro da família.

Ao entender que as relações parentais iniciais estabelecem um precedente para futuras relações interpessoais, é possível começar a desvendar a complexidade da aceitação ou rejeição familiar.

Um ambiente familiar onde o cuidado e o amor são condicionais ou estão ligados a expectativas específicas pode criar um campo minado emocional. Chodorow sugere que tais complexidades são muitas vezes inconscientes e podem ser exploradas e talvez resolvidas através da psicanálise” data-wpil-keyword-link=”linked”>psicanálise.

O trabalho de Nancy Chodorow em “The Reproduction of Mothering” oferece uma visão crítica e instrutiva sobre como a teoria da relação objetal pode ser aplicada ao entendimento das dinâmicas familiares.

Chodorow argumenta que nossas relações de apego iniciais com nossos pais desempenham um papel crucial na formação de nossa identidade de gênero e, consequentemente, em nossas futuras relações interpessoais. Esta compreensão fornece uma base sólida para explorar o enigma da aceitação e rejeição no seio da família.

Primeiramente, vale ressaltar que a teoria da relação objetal não se preocupa apenas com objetos físicos, mas também com pessoas e conceitos. Em um contexto familiar, os “objetos” mais importantes geralmente são os pais ou cuidadores.

Se as relações iniciais com esses “objetos” são estáveis e amorosas, há uma maior probabilidade de que o indivíduo desenvolva uma identidade de gênero e relações interpessoais saudáveis. No entanto, se essas relações são marcadas por expectativas rígidas ou falta de aceitação, o campo é preparado para futuras complicações emocionais e psicológicas.

Chodorow sugere que as relações parentais formam um molde inconsciente para futuros relacionamentos. Em outras palavras, a forma como somos tratados e aceitos por nossos pais ou cuidadores cria um conjunto de expectativas e percepções que carregamos para outras esferas da vida.

Esta ideia é especialmente pertinente quando consideramos que muitas vezes as reações dos pais a certos comportamentos ou identidades são inconscientes, baseadas em seus próprios condicionamentos e preconceitos.

Um ambiente familiar onde amor e cuidado são condicionais cria um “campo minado emocional”. As crianças aprendem a associar seu valor e aceitação a certas condições, muitas vezes relacionadas a normas de gênero ou expectativas sociais.

Isso não apenas impacta sua autoestima, mas também estabelece um precedente perigoso para futuras relações interpessoais. A pessoa pode vir a buscar relações em que a aceitação é condicional ou efêmera, perpetuando um ciclo de insegurança e rejeição.

A psicanálise, segundo Chodorow, oferece uma janela para explorar e talvez resolver essas complexidades. Ao escavar os sentimentos e experiências inconscientes, o indivíduo tem a oportunidade de identificar as raízes de suas inseguranças e padrões de relacionamento.

Isso é crucial para romper com ciclos de rejeição e para fomentar um ambiente de aceitação, tanto na família como em relações futuras.

Entender a teoria da relação objetal e sua aplicação à dinâmica familiar é também crucial para profissionais de saúde mental, educadores e formuladores de políticas públicas.

Ao reconhecer que a aceitação e rejeição na família têm raízes profundas e muitas vezes inconscientes, torna-se possível criar estratégias de intervenção mais eficazes.

Além disso, a sociedade como um todo pode se beneficiar de uma compreensão mais aprofundada desses conceitos. Campanhas de conscientização e educação podem ser elaboradas para ajudar os pais a entender melhor como suas ações e atitudes afetam o desenvolvimento emocional e psicológico de seus filhos.

Para que haja uma mudança substancial, é essencial que as pessoas estejam dispostas a fazer o trabalho interno necessário. O autoexame e a autorreflexão são fundamentais para entender nossos próprios preconceitos e expectativas e como eles afetam aqueles que estão em nossa esfera de influência.

É importante também fomentar diálogos abertos e honestos dentro da família. Muitas vezes, a rejeição ou falta de aceitação nasce da ignorância ou do medo do desconhecido.

A comunicação pode ser um antídoto poderoso para esses sentimentos, permitindo que os membros da família compartilhem suas inseguranças, expectativas e desejos de uma forma construtiva.

Para concluir, o trabalho de Nancy Chodorow fornece uma base teórica valiosa para desvendar os desafios da aceitação e rejeição familiar.

Através do entendimento da teoria da relação objetal, é possível não apenas compreender melhor a origem desses desafios, mas também encontrar caminhos mais eficazes para abordá-los, tanto no nível individual como coletivo.

Ressignificação através da psicanálise (aceitação familiar)

A psicanálise pode oferecer uma oportunidade para que tanto os indivíduos quanto as famílias ressignifiquem suas relações.

Terapias familiares psicanalíticas podem criar um espaço seguro para explorar as raízes emocionais e normativas das tensões familiares, permitindo que cada membro da família se sinta mais compreendido e aceito.

Além do trabalho clínico, a psicanálise também pode ser utilizada para facilitar ações comunitárias.

Por exemplo, oficinas e programas educacionais que utilizam princípios psicanalíticos podem ajudar famílias a compreender melhor suas dinâmicas emocionais, contribuindo para uma maior aceitação e entendimento mútuo.

Embora as teorias de Chodorow ofereçam perspectivas valiosas, elas também enfrentam críticas, particularmente no que diz respeito à sua ênfase no papel da mãe e nas normas de gênero tradicionais.

É importante abordar essas críticas ao aplicar sua teoria em contextos modernos e diversos.

Conclusão

A aceitação no ambiente familiar é crucial para o desenvolvimento saudável do indivíduo.

A contribuição da psicanálise, especificamente através do trabalho de Nancy Chodorow, oferece um quadro teórico para compreender as complexas dinâmicas que influenciam essa aceitação.

Ao aplicar essas teorias de forma clínica e comunitária, é possível não apenas desvendar as raízes da tensão e rejeição familiar, mas também trabalhar em direção a soluções mais inclusivas e aceitáveis.

João Barros

Floripa, 2023

Referências básicas

1- A interpretação dos sonhos – Sigmund Freud

Resenha:

Embora o livro seja mais conhecido por suas teses sobre os sonhos, também dedica capítulos significativos ao papel dos desejos familiares inconscientes. A obra é fundamental para qualquer estudo aprofundado da psicanálise e é um excelente ponto de partida para entender como Freud viu o núcleo familiar como um palco para conflitos psíquicos.

2- A construção do vínculo – Donald Woods Winnicott

Resenha:

Winnicott, um pediatra e psicanalista britânico, oferece uma visão menos determinista do desenvolvimento humano. Seu enfoque no “ambiente suficientemente bom” e no papel do cuidador são extremamente relevantes para entender a aceitação e o ambiente familiar. O livro serve como uma alternativa à visão freudiana mais rígida das dinâmicas familiares.

3- Psicanálise e paideia: clínica e educação – Maria Cristina Kupfer

Resenha:

Esta obra é relevante por seu foco na interface entre psicanálise e educação, discutindo o papel das instituições familiares e educacionais na construção da subjetividade. Kupfer traz discussões sobre como a clínica psicanalítica pode ser estendida para pensar questões da educação e da convivência familiar.

4- A psicanálise na terra do nunca: ensaios sobre a fantasia – Durval Marcondes

Resenha:

O livro explora o mundo da fantasia e do imaginário, conceitos muito relevantes quando pensamos em relações familiares. O autor mostra como as histórias que ouvimos e as expectativas sociais têm profundos impactos na nossa psique, oferecendo uma nova camada de complexidade às já complicadas relações familiares.

5- Maternidade e o encontro com a própria sombra – Laura Gutman

Resenha:

Este livro explora os desafios emocionais da maternidade, um papel muitas vezes idealizado e mal compreendido. Gutman adentra as emoções conflituosas, o cansaço e as sombras que acompanham a maternidade, contribuindo para uma compreensão mais profunda da dinâmica mãe-filho(a) dentro da estrutura familiar.

João Barros - empresário/escritor - professor com formação em filosofia/pedagogia, teologia/psicanálise (...) atualmente, diretor pedagógico na empresa SELO BE IBRATH - com foco na supervisão e qualificação dos produtos pedagógicos e cursos livres em saúde, qualidade de vida e bem-estar. Quanto às crenças e valores, vale a máxima: o caráter do profissional em saúde - isto é - dos psicanalistas/terapeutas - determina sua missão. "Mens sana in corpore sano".

Deixe um comentário